Rapper Azul lança EP solo com três canções

Após projetar a carreira em esfera nacional e trabalhar com parcerias, a cantora e compositora Rapper Azul, nome pelo qual os fãs conhecem Azuila Costa, retorna em carreira solo com o lançamento do EP Pega Nega no canal Cria Nossa Produções no Youtube https://youtube.com/channel/UCoWbn7MOyen0J-lSEmshyHA. Na próxima semana, as músicas já estarão disponíveis em todas as plataformas digitais.

Rapper Azuila Costa despontou nos shows nacionais do cantor e compositor Rapper Dexter, nome artístico de Marcos Fernandes de Omena, e mais recentemente do músico Rapper Djonga, como é conhecido Gustavo Pereira Marques.

As imagens da Rapper Azul ilustrativas do EP foram tiradas pelo fotógrafo Dizão Leão, com oito anos de parceria com a cantora. Retratam o momento de retorno da Rapper à carreira solo, apenas 20 dias após a morte da mãe, Iolanda Aparecida Costa (61). “A ideia é mostrar uma volta mais forte, sem perder a sensualidade, a sutileza periférica, o black power, ao mesmo tempo mostrando uma mulher forte do cotidiano e um requinte periférico”, explica a cantora.

A música que empresta o nome ao EP surgiu num momento inusitado. “Estava correndo para pegar o ônibus até ele parar. Fala da minha vida, tem uma homenagem à minha mãe e cito o sumiço do meu pai”.

Mas Pega Nega é muito mais. Trata-se de uma demonstração de insatisfação e até mesmo um quê de revolta da cantora com o sistema brasileiro de discriminação com os negros e pobres. “A negra corre do sistema que te açoita, nasceu preta, pobre… vixe, é um caminho que não tem mais volta”, diz o primeiro trecho da canção. Em relação à mãe, ela canta “minha mãe é resistência, referência em oração. Nunca desistiu, num corre a mil!”.

Em O Jogo Virou (https://youtu.be/U0yhiShpG-4), a artista demostra ser uma mulher forte que mudou o jogo num processo de empoderamento de dentro para fora. “É onde me descubro, que tenho que falar não, e o jogo virou no sentido de querer mais do que a vida tem a oferecer”, explica Rapper Azul. A música foi composta em parceria com Elaise Donine.

Bereu (https://youtu.be/cXdGg33JnDc), música marcante concebida para ser trilha sonora do espetáculo dirigido por Flávio Ferreira do Cena Onze, conta a história de detentas da Penitenciária Ana Maria do Couto. “Visitei clínicas e troquei ideia com quem já foi preso também para fazer este trabalho”, revela Rapper Azul.

O EP Pega Nega foi produzido pela produtora Cria Nossa Produções, da qual Rapper Azul faz parte. Trata-se de um projeto social localizado na região do Pedra 90 em que a produtora concede a oportunidade de cantores iniciarem na música e outros que já começaram a divulgar seus talentos. “Foi uma luta para lançar este EP devido à morte da minha mãe e ao fato de eu ter sido hospitalizada recentemente por problemas de saúde. Isso me fez lembrar da minha mãe no hospital. Agradeço a todo apoio que tive”, agradece Azul.

Fonte: www.leiagora.com.br

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts relacionadas